Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Para quem me magoou...

Abandonaste-me... Não me compreendes. Nem fazes um esforço.

 

Tentando explicar-te.... como se fosses uma criança de 4 anos...

 

 

Tu adoras aqueles sofás novos que tens na sala, a Teca é a tua gata. Arranhava os teus sofás, só queria mesmo era afiar as unhas, mesmo que fosse só uma coisa que os gatos fazem instintivamente. Tentava fazer isso todos os dias, tu não a deixavas. De vez em quando chateavas-te com isso. Umas vezes mais outras menos, mas sempre chateado. Os sofás são uma novidade, e foram tão caros, não podia sequer sentar-se neles. Mas ela também não os apreciava particularmente. Ela miava mas não a entendias. Não falas a mesma linguagem.

 

Com o tempo foste tendo cada vez menos paciência com a Teca. É uma gata que tu gostas muito, mas não a suportas quando afia as unhas nos sofás. Um dia chateias-te a sério. Deste-lhe um pontapé, expulsaste-a de casa, abandonaste um animal que não entendias. Que crueldade essa. Durante anos ela esteve em tua casa. Mas nunca a entendeste porque não falas a lingua dela. Talvez te tenhas perguntado "o que pensa ela". Nunca saberás a verdade. Também foi algo que aceitaste, as pessoas não percebem os gatos.

 

Abandonaste-a. Sentes algumas saudades de vez em quando. Alguns remorsos por teres feito isto. Afinal até gostavas dela. Mas os sofás são novos. Não se podem estragar. São preciosos. Nunca tiveste algo deste género. A Teca não pode afiar as unhas neles. Abandonaste-a na esperança que ela aprendesse a não afiar as unhas lá. A distância é o melhor remédio, achas tu, para ensinar um gato. Se ele não vir as coisas, de certeza absoluta que não as vai arranhar. Não te lembraste é que os gatos também sentem. Sentem amizade, sentem dor, sofrem. Podias ter comprado um poste para a Teca afiar as unhas, mas por algum motivo achaste melhor que ela se afastasse dos sofás, se afastasse completamente de tua casa para esquecer os sofás.

 

Ela nunca vai entender esse teu gesto, afinal ela gostava de ti. O objectivo não era estragar o teu bem mais precioso actualmente, era mesmo a necessidade de desgastar as garras... A tua gata, como qualquer outro gato abandonado, vai sentir frio, dor, insegurança e medo do desconhecido... Ela está sozinha agora. Lá vai ter de se desenrascar para comer, e para arranjar um sitio confortável para dormir. Não percebe porque foi abandonada. O que é que fez de errado. Ela até tentou explicar, tu não percebeste a linguagem dela. Não falam a mesma lingua os gatos e os homens. Nenhum homem entende os gatos. Os gatos, esses... entendem demais.

 

De vez em quando passas por ela na rua. Ela mia mas tu não a entendes. Apenas dizes "Não te preocupes Tequinha, eu gosto de ti. Só não quero que estragues os sofás. Daqui a algum tempo já não te lembras que eles existem. Nessa altura eu levo-te para casa outra vez.. É só mais algum tempo". Mas entretanto ela vai sentir frio e passar fome. Vai sentir-se vazia, perdida, e não vai perceber os teus motivos. "Algum tempo" pode ser tanto tempo... Pode ser tempo demais... "Algum tempo" é tempo suficiente para alguém a recolher de novo. "Algum tempo" é tempo suficiente para apanhar alguma doença na rua. "Algum tempo" é tempo suficiente para ser atropelada e partir para sempre...

 

A Teca tenta entrar em casa de vez em quando. Ela mia à tua porta sempre que te vê entrar. Tu apenas lhe dizes "Se tentas entrar enquanto os sofás são novos, não voltas aqui para casa. Não te digo mais olá, nem te faço festas! Não mies tanto porque estás a chatear-me, eu quero ir dormir". Tu vais para dentro e a Teca fica sozinha cá fora. Não sentes remorso algum nesta altura por a teres abandonado. Ela estava a chatear-te, queria entrar mas ainda não era a altura! E miou demais... Os sofás estão tão bem na sala... Nesta altura ela podia era desaparecer!!! Não ias sentir saudades de qualquer espécie.

 

Mas quando fores procurar a Teca, porque os sofás já não são tão novos assim e já não faz mal que ela os arranhe, ela pode já não estar lá. Podem ter acontecido um sem número de coisas à Teca e tu não vais saber. Se calhar nessa altura vais achar que "algum tempo" foi tempo demais. Talvez nessa altura os sofás deixem de interessar, e ficas na angustia de saber o que aconteceu a um gato perdido. Não sabes o que lhe aconteceu. Nem sabes porque é que a foste abandonar, afinal eram só uns sofás.

 

Ou então ela vai estar à porta de tua casa à espera. Tu vais ficar contente porque ela nunca saiu dali. Vais sentir uma sensação de segurança e conforto. E vais dizer-lhe: "Vês Tequinha, foi só algum tempo. Já nem te lembras dos sofás, não é? Passou depressa... Eu até tinha razão e fiz as coisas correctas". Não vais saber é por aquilo que a Teca passou... Mas também não queres. Já passou...

sinto-me: pequenina....
publicado por incompreendida às 21:31
link do post | Tenta compreender | favorito
|

.Mais sobre mim... ou não.

.Para encontrar o que está perdido... escreve em baixo.

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.O sol que por aqui anda

. Adeus...

. AMIGOS

. Obrigada

. (des)Culpa

. Desafio...

. You made my day...

. Decisão

. Os problemas e a matemáti...

. O Horror de Conhecer

. As verdadeiras declaraçõe...

.A chuva que já passou

. Agosto 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds